segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Dicas importantes na hora de usar cremes e cosméticos

  1. Nunca use um cosmético se estiver passando por um processo alérgico.
  2. Nunca divida cosméticos com outra pessoa.
  3. Guarde os produtos fora da luz solar direta, longe do calor e com tampas bem fechadas.
  4. Não adicione líquido em nenhum creme, a não ser que tal instrução esteja presente no rótulo.
  5. Caso o creme mude de cor ou apresente um odor diferente, descarte-o.
  6.  Evite aditivos que não são aprovados ou recomendados por especialistas, como:
Ureia
Um dos hidratantes mais utilizados em cosméticos, tanto pela sua eficácia, quanto pelo seu baixo preço. Mas, ela é terminantemente proibida para mulheres grávidas, porque o penetra profundamente na pele e tem até mesmo a capacidade de atravessar a placenta, podendo chegar até o feto em formação. Tanto é que, quando a sua dosagem no creme for maior que 3%, a ANVISA exige que seja colocado no rótulo “Não utilizar durante a gravidez”. As composições com mais de 10% de ureia também foram proibidas para todos os produtos.
Parabeno
O conservante Parabeno apresenta propriedades estrogênicas, ou seja, se comportam como se fossem o estrogênio, um hormônio feminino, fato verificado em estudo realizado na Universidade de Reading, Reino Unido, e publicado em janeiro de 2004 no Journal of Applied Toxicology. Hoje, o mercado possui conservantes naturais ou mais modernos que, até o momento, demonstraram segurança, permitindo aos formuladores o desenvolvimento de formulações mais seguras. Os parabenos podem ser identificados nas formulações dos cosméticos e desodorantes com diversas nomenclaturas: Parabens, Methylparaben, Ethylparaben, Propylparaben e Butylparaben.
Conservantes liberadores de formol
A exemplo das escovas progressivas, proibidas, a já conhecida toxicidade do formol foi comprovada num estudo realizado no Departamento de Dermatologia da Universidade de Debrecen, Hungria e publicado no periódico “Experimental Dermatology”, em maio de 2004, revelou que o formol pode contribuir para o aparecimento de câncer induzido pela radiação ultravioleta do sol. Basta observar cuidadosamente os rótulos das embalagens, procurando pelas seguintes substâncias: quatérnium-15, diazolidinil hora, imidazolidinil ureia e DMDM hidantoína.
Propilenoglicol
Como diluente de várias substâncias, ele pode ser muito usado nas formulações dos cosméticos. O perigo de seu uso está nos problemas de pele que ele pode desencadear nas pessoas, como alergias e irritações. Um estudo realizado com 45.138 pacientes na Universidade de Göttingen, Alemanha e publicado no periódico “Contact Dermatitis”, em novembro de 2005, confirmou o potencial sensibilizante (potencial para causar alergias) do propilenoglicol, confirmado por um outro estudo realizado no Departamento de Dermatologia do Hospital Osaka Red Cross, Japão e publicado no periódico “International Journal of Dermatology”, também em 2005. Para saber se o seu produto cosmético contém propilenoglicol na composição, verifique a palavra propylene glycol no rótulo traseiro da embalagem.
Óleo mineral e outros derivados do petróleo
Os óleos minerais, derivados do petróleo, estão presentes na maioria dos produtos cosméticos, devido sua propriedade hidratante para a pele. Entretanto, estudos recentes vêm associando esses componentes ao aumento da mortalidade por diversos tipos de câncer, devido à presença de um composto chamado 1,4-dioxano, uma substância cancerígena, segundo estudos publicados nos periódicos “American Journal of Industrial Medicine” (Departamento de Epidemiologia, Escola de Saúde Pública, Los Angeles, CA outubro de 2005), “Contact Dermatitis” (Departamento de Dermatologia, Nagoya City University Medical School, Japão, abril de 1989) e “Regulatory Toxicology and Pharmacology” (outubro de 2003). Procure no rótulo traseiro as palavras paraffin oil e mineral oil.
Postar um comentário