sexta-feira, 23 de maio de 2014

Revelada: a verdadeira e emocionante historia entre a Flor de Lótus e a Cristina Guardia Atelier!

Por Cristina Guardia 

Como dizem, “não há como ir à Índia e voltar igual”.
Foi lá que, em 2006, tomei contato com a lenda de Sidarta que se tornaria Buda.
Contam que, onde ele tocou o solo, fazendo seus primeiros passos, sete flores de lótus cresceram.
Assim, cada passo é considerado um ato de expansão espiritual.
A Flor de Lótus me foi inspiradora, uma vez que ela é o símbolo máximo da pureza. A flor da resiliência!
Ela representa uma metáfora do ser humano. Capaz de se erguer pura, acima do lodo. Sua semente é depositada na lama, oculta na água turva.
Ao sentir que há luz e sol, começa a crescer, com seu potencial único.
O mundo pode ser comparado ao lago, confuso e turvo. Porém, fértil, nos dando condições para nossa evolução.
Nós podemos ser equiparados à flor de lótus e, assim como elas, precisamos de rápidas adaptações às novas condições. Precisamos ser resilientes!
 
A flor de Lótus se fecha ao anoitecer, submerge, indo para a escuridão do lodo e se ergue no dia seguinte para a superfície das águas, imaculada, em seu estado original.

Em todas as mudanças no ciclo de vida, temos que abandonar atitudes anteriores, enfrentar novas exigências e explorar as oportunidades que na vida se fazem presentes diante de nós.

Reflita sobre isso!

Você ainda tem tempo para acertar o seu caminho.
Receba todos os dias, quando você acordar, o mais belo de todos os presentes: a dádiva da vida.
E, como a Flor de Lótus que se abre todas as manhãs, abra-se para a vida e viva da melhor forma... Sempre resiliente!

Explore seu potencial único!

Faça valer a pena!


Postar um comentário